X
Acesso aos Serviços

Notícias / Crea-BA

Notícias

Sistema BRT é discutido durante reunião da Câmara de Engenharia Civil

10/11/2010

 

Convidados discutiram o sistema BRTO Sistema BRT (Bus Rapid Transit - transporte operado por ônibus de grande capacidade por vias exclusivas) foi discutido na noite da última terça-feira (09/11) na reunião da Câmara Especializada de Engenharia Civil do Crea-BA. A palestra foi proferida pelo arquiteto, mestre e doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), Francisco Ulisses Santos Rocha, que por meio de slides e de animação demonstrou como o trânsito de Salvador ficará com mais uma opção de transporte e investimentos em novas vias.


Considerado pelo palestrante como “metrolização do ônibus”, o sistema BRT já é um sucesso em países da América Latina como a Colômbia e em cidades brasileiras como Curitiba (desde 1975), custando um décimo do valor de implantação do metrô. Segundo Francisco Ulisses, a Prefeitura de Salvador desenvolve o projeto de implantação do sistema desde 2007 e já possui três fases cumpridas: implantação de bilhetagem, integração das linhas e sistema amarelinho. “A FIFA chegou aqui e incorporou o projeto para a Copa de 2014. Salvador e nove cidades do Brasil optaram pelo BRT em função dos custos, prazos e capacidade, além da tecnologia, que é brasileira, versatilidade, rapidez na implantação e flexibilidade”, justifica, fazendo comparações com a implantação do metrô na capital baiana, que já dura 15 anos e até agora apenas 6 km foram concluídos.


O arquiteto informou que 94% das viagens realizadas em Salvador são por meio de ônibus e que a capital já abriga 700 mil veículos. Para a implantação do sistema BRT serão construídas cinco novas vias, alargadas nove e duplicadas as avenidas Gal Gosta, Orlando Gomes e Regional, Dorival Caymi, Via Aeroporto e Jorge Amado. O custo da obra é de U$ 803 milhões.


Na primeira fase, para atender a demanda da Copa de 2014, Francisco Ulisses afirma que 42 km serão concluídos no trecho entre o Aeroporto e a Lapa e da Calçada para a Pituba. Ele disse que o projeto foi aprovado pelo Governo Federal, que já liberou U$ 570 milhões, e deverá também contar com recursos do Governo do Estado e Prefeitura Municipal.

Opiniões - O engenheiro civil e mestre em Planejamento de Transporte Urbano pela Birmingham University – Inglaterra e doutorando em Energia e Meio Ambiente pela Ufba, Elmo Lopes Felzemburg, destacou problemas como a proliferação do número de usuários de veículos e a falta de vias para os pedestres. Ele, que também atuou no projeto de implantação do metrô de Salvador, receia que o sistema BRT também passe pelos mesmos problemas de atraso na obra.


Já o engenheiro civil e mestre em Engenharia de Sistema de Transporte pelo Instituto Militar de Engenharia (IME/RJ), Horácio Lucateli Costa Brasil, atribuiu os problemas do trânsito de Salvador às crises de gestão nas esferas federal, estadual e municipal. “Os baianos sempre estão ausentes na participação da tomada de decisão. Não fosse a Copa, os projetos iriam para a gaveta”, critica, reforçando que espera agora gestão em tudo que for construído. Ambos profissionais foram convidados para enriquecer o debate sobre o novo sistema de transporte.


Os conselheiros da Câmara de Engenharia Civil ao fim da palestra fizeram questionamentos ao palestrante, deixando clara a dúvida em relação à implantação do sistema até a Copa.


Características - O BRT tem três portas amplas do lado esquerdo, é nivelado com o piso da estação, trafega em pistas totalmente segregadas, opera com velocidade de 35 km/h e pode servir pelo menos 45 mil passageiros por hora. O sistema reduz emissões de CO2, tem programação e controle rigorosos de operação, e têm se tornado a melhor escolha para melhorar a mobilidade urbana em 23 países dos cinco continentes.


A palestra sobre o sistema BRT encerrou o cronograma de trabalho da Câmara de Engenharia Civil envolvendo os profissionais (conselheiros ou não) e suas atividades desenvolvidas fora do Crea-BA. Segundo a coordenadora do grupo, Rute Carvalhal, as palestras motivaram a participação dos conselheiros e suplentes. “Vivenciamos através deste projeto o cotidiano de trabalho dos profissionais fora do Crea”, complementa. Temas como avaliação e perícia, educação e engenharia civil, fiscalização de obras públicas e áreas de risco/chuvas foram discutidos como forma de elaborar propostas para a tomada de decisão da fiscalização do Conselho.

 Nadja Pacheco

Fonte: Ascom Crea-BA

COMPARTILHE ESTE CONTEÚDO

notícias

ver todas

revista

Revista 66

Edição 66 | 2019


outras edições